domingo, 29 de agosto de 2010

Ser doutor é moleza... Not!

Estava lendo a lista de discussão da minha turma de direito e um colega postou um texto do blog Gravataí Merengue com o título "Doutores e Doutores". No último parágrafo o autor escreve:

"Por fim, nos dias de hoje é moleza ser doutor (direito/medicina) ou doutor (graduação acadêmica). Há faculdades em todas as esquinas, dessas que dando duas voltas no quarteirão já se passa no vestibular e, também, mestrados e doutorados a rodo."

Até concordo que ser "doutor" porque tem graduação em direito é moleza, especialmente se você entrar numa faculdade particular do tipo "vende-se um diploma". O mesmo se aplica pra Medicina.

Na federal já não é tão moleza assim. No caso de direito porque o vestibular pode até não ser tãaaaooo difícil assim, mas o curso é. Pelo menos eu acho. O primeiro período foi o mais difícil que já cursei em toda a minha história acadêmica.

Já em medicina, não acredito que o curso seja tão difícil, afinal o índice de desistência é mínimo e se a coisa fosse complexa como as abstrações da área de exatas ia acontecer o mesmo que acontece lá: você perde umas cadeiras ao longo do curso, faz vestibular pra limpar currículo, estuda com mil turmas.

Mas não tem nada de moleza quando o assunto é passar no Vestibular da Federal em Medicina. O nível é muito alto, a concorrência também é alta, você tem que dominar todas as matérias e ser espetacular em algumas delas. Não basta ser bom, tem que ser no mínimo ótimo na maioria e cravar excelente nas demais.

Quanto a ser moleza ser doutor via tese de doutoramento, não sei em que planeta esse advogado vive pra pensar assim. É um trabalho extenuante que uns poucos privilegiados realizam com tranquilidade.

4 comentários:

ailton disse...

Breno, Direito não é tão difícil assim. Não tome como base Jornalismo ou Artes para fazer comparações. Esses dois cursos, qq um se forma. Nem precisa ir pras aulas q ainda se forma; vc sabe disso. Agora, eu que já fui discente de Licenciatura em Ciências e Eng. Mecânica sei que as coisas, fora da área de humanas na UFPB, não são tão molezinha assim como foi Jornalismo.
Tá certo, eu faço direito hoje em uma faculdade dessas de se formar dobrando a esquina duas vezes. Mas nem por isso as coisas lá são jogadas ao vento. Tem cobrança pela presença e tudo; e com chamada! E só no fim da aula. Absurdo! Parece que sou uma criança que não tenho responsabilidades. Mas, mesmo assim, o primeiro período de Direito está sendo tão fácil quanto foi o de Jornalismo. Talvez até mais fácil ainda. E não quero crer que seja por causa da faculdade, pois o comprometimento do aluno tbm conta. E, ao invés do que eu esperava, tô me dedicando sim ao curso.

Breno Barros disse...

Tonton, o negócio é o seguinte: você é inteligente que só um infeliz! Meu CRE em direito está muito melhor do que em todo o curso de Jornalismo, mas tive que me esforçar muito (muito mesmo!) pra conseguir isso. Acho o curso difícil e meticuloso. Jamais diria que é tão fácil quanto Jornalismo.

tautologico disse...

Minha impressão de fora, sem nunca ter feito o curso, é que Direito não deve ser tão difícil de se formar, dado o número de pessoas que eu não qualificaria como particularmente inteligentes nem esforçadas que se formam sem dificuldade. Talvez para se formar com o CRE alto seja difícil, não sei. Só fiz cursos de exatas, que têm fama de serem difíceis, então não tenho parâmetros.

Quanto a ser doutor, realmente não é tão difícil. O que não significa que seja fácil. A dificuldade de terminar um doutorado é mais ter perseverança e pelo menos um mínimo de dedicação durante um período relativamente longo de tempo. Não é necessário ser inteligente acima da média de nenhuma maneira. Já vi várias pessoas se formando com teses fraquinhas, mesmo em centros muito bem avaliados pela CAPES.

tautologico disse...

Minha impressão de fora, sem nunca ter feito o curso, é que Direito não deve ser tão difícil de se formar, dado o número de pessoas que eu não qualificaria como particularmente inteligentes nem esforçadas que se formam sem dificuldade. Talvez para se formar com o CRE alto seja difícil, não sei. Só fiz cursos de exatas, que têm fama de serem difíceis, então não tenho parâmetros.

Quanto a ser doutor, realmente não é tão difícil. O que não significa que seja fácil. A dificuldade de terminar um doutorado é mais ter perseverança e pelo menos um mínimo de dedicação durante um período relativamente longo de tempo. Não é necessário ser inteligente acima da média de nenhuma maneira. Já vi várias pessoas se formando com teses fraquinhas, mesmo em centros muito bem avaliados pela CAPES.