domingo, 19 de julho de 2009

Gripe A: quando a mídia mente e destrói

Como jornalista, acho lamentável que em busca de vender mais jornais e ter uns pontinhos extras no Ibope, se destrua a reputação de um país inteiro e, por tabela, se detone a renda de milhares de famílias. A gripe A (H1N1) é um caso clássico. Estou escrevendo esse texto de Montevideo e aqui nao há praticamente nenhuma alma viva usando máscaras.

Na Argentina, onde a mídia praticamente colocou uma fita amarela em suas fronteiras (cruzou a linha, já sai com febre e espirrando!), pouquíssimas pessoas estão de máscara. Nos dois países usamos álcool gel para limpar as mãos, mas não há pânico algum.

Por outro lado, os hotéis estão vazios, as ruas menos movimentadas e estas talvez sejam as férias de inverno menos rentáveis para os portenhos e uruguaios. Os preços estao ótimos, mas os turistas estão escassos. Imagine você, leitor, o que as famílias de trabalhadores devem estar passando com um mês de julho tão fraco. Ontem foi o dia em que se comemora a nascimento de José Artigas, herói da independência do Uruguai. Não havia comemoracao alguma. Pode até ser costume deles, mas parecia um sábado comum. Mal se falava em feriado.

Acredito que os países da América do Sul se tornaram opções excelentes para turistas brasileiros. Em preços de hoje, podemos trocar R$ 1 por quase dois pesos argentinos e por mais de 10 pesos uruguaios. Comi uma pizza boa para duas pessoas por 114 pesos uruguaios, logo que desembarquei em Montevideo. Comida, estadia e transporte são baratos no Uruguai. O ônibus custa 15 pesos em dias normais e 8 no domingo até uma determinada hora (não sei precisar bem).

Quando voltar a Buenos Aires ficarei em um albergue que custa 70 pesos argentinos por noite em um quarto duplo privativo com banheiro. Ou seja, uns 35 reais para que eu divida com Ricardo Belfort, meu companheiro nessa aventura. Estamos em um hotel muito bom e excelentemente localizado em Montevideo. E o preco: 28 dólares por noite. Dá 644 pesos uruguaios, pouco mais de 32 reais para cada. É mais caro porque nao é albergue e o conforto compensa, já que ficaremos àpenas quatro dias.

Enfim, gostaria de ver mais turistas por aqui aproveitando essas duas cidades maravilhosas. Mas a mídia é mais poderosa do que um blog no meio do nada.

6 comentários:

Klebson disse...

Mas, e então? Você pegou a tal gripe??? kkkkk
Brincadeira

Mythus disse...

Bom saber de notícias suas!

Realmente não dá pra imaginar outra coisa senão o que a mídia mostra, visto que é unânime.

Fico feliz que o perigo reside mais na esfera do sensacionalismo do que na realidade.

Bruno R disse...

O que a mídia mostra (pelo menos a séria) é numero de infectados e mortos, o que os governos têm feito pra combater a doença, esse tipo de coisa. A imprensa se alimenta de notícia, e se tem uma nova forma de gripe na praça matando gente, isso vende. E também é direito à informação.
Não culpo a mídia. Pra mim o terror quem faz é a própria população, que tende a superdimensionar tudo o que vê na TV.

Isabella Araújo (Zabella) disse...

Ah,essas suas descrições são mesmo interessantes, Breno!

εïз mi disse...

pois, nesse caso, eu concordo com bruno, ó!

Charles A. Müller disse...

Concordo, a mídia ao invés de orientar está criando pânico e cobrindo a contagem de mortos.
Citei seu post neste, do meu blog:
http://www.sitecharles.com/artigos/gripe-a