sábado, 4 de março de 2006

Mais que Chico Buarque


Eu estava lá. Restaurante Yokan, Cabo Branco, por volta das 23h30 da última quinta-feira (2). Tinha ido ao cinema e minha amiga havia sugerido comida japonesa. Quando estava me servindo encontrei Bráulio Tavares na fila.

Comentei baixinho "já viu quem está aí? (...) Bráulio Tavares".

Juro que não foi por tietagem, mas sentamos numa mesa perto da dele, na área externa. Dentro do restaurante estava muito barulhento. Daí, enquanto comíamos e conversávamos chega esta mulher, uma balzaquiana. "Olhe sou sua fã. Tenho todos os seus livros*, leio todos os seus artigos. Você é mais que Chico Buarque, porque é paraibano".

Claro que a essa altura eu e minha amiga já trocávamos risos discretos, a posição que estávamos sentados ajudava a disfarçar. A mulher foi embora e eu fiquei pensando no post.

Bráulio Tavares é um gênio. Não bastasse sua erudição intelectual que o torna internacionalmente conhecido no campo da ficção científica, desenvolveu seu lado artístico como poucos na Paraíba. É um cordelista de primeira qualidade e suas parcerias musicais constituem as melhores faixas de alguns discos que ouvi ou assisti (DVD é disco, não é?).

Até aí tudo bem. O que soou estranho foi dizer que ele é maior que Chico Buarque porque é paraibano. Ela ainda disse que se Bráulio estivesse no Rio seria muito mais famoso que o músico carioca. Mas até onde sei, Bráulio mantém residência naquele estado.

Não concordo que nosso representante paraibano supere Chico Buarque, digo já quebrando o conceito político-acadêmico correto de que arte não se compara. Bráulio Tavares e Chico Buarque já cravaram os nomes no leque de artistas competentes da História cultural do Brasil. O fato dele ser paraibano nos enche de orgulho, mas não é motivo para dar um "up" na sua gradação.

Acho que esse foi mais um exemplo de que na Paraíba nos sentimos menores e temos necessidade de nos auto-afirmarmos repetindo constantemente - você já deve ter ouvido - que em determinado contexto "a Paraíba não fica devendo" a esse ou aquele lugar.

* Duvidei disso. Será que ela tem "O que é ficção científica"?


7 comentários:

Breno Barros disse...

de dvd é disco, eu não sei. Mas fala q é álbum q fica certo tbm. COncordo em quase td contigo, mas "dar um up" é um neologismo dispensável. Ei, ainda sobre o post anterior: bolei um jeito de a gente ser famoso, muito famoso. Nossos nomes vão estar em todos os jornais do mundo. E na capa! Mas a gente tem q aprender a pilotar um avião primeiro.

aiton | Homepage

Breno Barros disse...

O q torna Chico e Bráulio ainda mais admiráveis é que com eles não tem esse negócio de "não sei, não levo jeito pra isso". Fazem o que querem, metem as caras, acham q podem e podem mesmo. Mas daí a compará-los.. Acho q as abordagens são muito diferentes. E lendo o post anterior, lembrei de uma música: "Eu que já não quero mais ser um vencedor, levo a vida devagar pra não faltar amor.."

Luís

Breno Barros disse...

detesto esse povo q tem mania de ficar exaltando a paraiba e os paraibanos, como se precisassem se afirmar o tempo todo. ah, vao!... akele prof. uniao, por ex., tudo q ele pega pra falar ele classifica de "um dos melhores/maiores do norte-nordeste" hahahaha essa mulher q foi falar com braulio so podia ser uma idiota completa (apesar de, soh por gostar do cara, ja merece algum credito). "se Bráulio estivesse no Rio seria muito mais famoso que o músico carioca" haha Faz um tempao q o cara mora la! Breno, eu nunca concordei tanto contigo num post como este.

bRuNo

Breno Barros disse...

tu num disse q ia tirar o "up"

ailton

Breno Barros disse...

Tudo a ver: auto-afirmação é sinal de insegurança, inferioridade, etc. Mas cá pra nós, Conheço muito poucos paraibanos que conseguem dar o real valor a Paraíba e não se sentirem inferiorizados ante as outras culturas dos estados ao sul. É raro um paraibano que não vai logo pegando o sotaque do lugar onde está, na tentativa de assimilar a nova cultura. /// "O q torna Chico e Bráulio ainda mais admiráveis é que com eles não tem esse negócio de "não sei, não levo jeito pra isso". Fazem o que querem, metem as caras, acham q podem e podem mesmo." Acho que isso é flagrante de tietagem. ;^)

Mythus | Homepage

Breno Barros disse...

Ailton, hahahaha! Esse povo paraibano é péssimo de auto-estima. Tudo o que é de orgulho que nasce aí, a gente resvala pro ressentimento incontido, apelando pra expressões do tipo "se fosse no sul seria diferente". Balela. Quem tem talento, hora ou outra aparece. Oportunidade se faz.

Dina

Breno Barros disse...

Dina tá certa. Foi-se o tempo que não havia comunicação satisfatória, amplas formas de contato, coisa que deixou Augusto dos Anjos fora do circuito por décadas.. E sou tiete mesmo, Túlio! Quem aqui ousa discordar mim? A única coisa que se pode falar mal de Chico é que, como ator, ele é bem ruim.. hehehe =p

Luís