quinta-feira, 30 de dezembro de 2004

Ano Novo (ou não!)


Por mais que alguém possa tentar racionalizar que o dia 1º de janeiro é tão "apenas um dia" como qualquer outro, há de se convir que a consciência de cronologicamente estar em outro ano faz a gente pensar em muita coisa.

É bem comum olhar para o ano que passou destacar o que foi feito, o que se conquistou, o que se perdeu e, como não podia deixar de ser, o que continuou do mesmíssimo jeito.

Normal também é fazer as famosas resoluções de fim/início de ano. (Lembro que planejei para 2004 procurar não aprender coisas novas, mas desenvolver as que já sabia um pouco, como francês e violão.) O problema é que quase sempre as resoluções são girinos de frustrações.

E qual o problema de ser normal? Façam a retrospectiva que quiserem, planejem o que der na telha. Qualquer coisa tem 2006 para tentar fazer ou ser diferente.

9 comentários:

Breno Barros disse...

\0/... pri

ailton

Breno Barros disse...

girinos de frustração? eheh

ailton

Breno Barros disse...

Concordo com o primeiro pargarafo, sem tirar nadinha. Bom post, o q eh raro por aki.

Laranja

Breno Barros disse...

É uma analogia anfíbica.

Dina

Breno Barros disse...

Bom post! Um dos melhores do ano! Muito racional, esse meu irmão.

Mythus | Homepage

Breno Barros disse...

Só vou dizer que concordo com o post e com Túlio.

Luís

Breno Barros disse...

grrrrrr.. postou mais um só pra me contrariar, né? tou vendo! =oP Feliz ano novo!!!

PauLa

Breno Barros disse...

só agora eu fui perceber o tamanho da cabeça de Aílton: \0/

Mythus | Homepage

Breno Barros disse...

?

ailton